.Poeta e Pensador

ruiemanuelpais
Quinta-feira, 12 de Maio de 2011

A CIÊNCIA DE ELIPHAS LEVI - O LIVRO DOS SÁBIOS

 

 

PENSAMENTOS SOBRE A CIÊNCIA DE ELIPHAS LEVI

 

 

 

 

 

 

O LIVRO DOS SÁBIOS

 

 

I

O absoluto indefinido é o ser e o absoluto definido é o saber. O saber absoluto é idêntico a absoluta entidade do ser. O ser moral é proporcional ao saber. Quanto mais se sabe mais se é, e quanto mais se é, mais se merece e mais se deve.

 

II

A ciência é o ponto fixo ao redor do qual o amor, ou seja, a fé, deve fazer circular a razão.

 

III

A ciência é o princípio da sabedoria; ela se eleva do fato lei e não conhece nada mais alto; porém inclina-se então ante a fé que, vendo quanto a lei é boa, concluí que ela é querida por uma vontade sábia.

 

IV

A fé que precede a ciência não pode ser mais que provisória, a menos que não seja insensata.

 

V

Há que ter fé na ciência para chegar à ciência da fé.

 

VI

Fala-se de moral independente. Este epíteto não é exacto. A moral depende da lei. Então, é a ciência que nos faz conhecer a lei que nos da razões para acreditar no princípio vivente e vivificante da lei.

 

VII

A ciência afirma o infinito, quebra todas as correntes e rompe todas as prisões do pensamento. Ela faz descer o céu até nós e abre à nossa alma horizontes ilimitados; analisa os sóis, se vê por todos os lados formigar astros sobre nossas cabeças, ao nosso lado e sob os nossos pés, esparge por toda parte a luz e a vida e não deixa lugar nem para a morte nem para o inferno.

 

VIII

A ciência dissipa os terrores do desconhecido, libera-nos dos nossos preconceitos, dá uma regra certa aos nossos desejos e uma carreira infinita a nossa actividade estimulada por legítimas esperanças.

 

IX

Afundar a ciência é aprofundar o desespero, dizem-nos os crentes cegos e os cépticos

desalentados, e eu contesto-lhes aprofundando a ciência, descobre-se a mina de ouro das esperanças legítimas.

 

X

A ciência é o instrumento do progresso é o progresso é a conquista da vida e da felicidade.

 

XI

Que me importa o descoroçoamento de Salomão e Agrippa? Do ponto em que eles se detiveram voltarei a marchar; de onde se sentaram com a cabeça entre as mãos, na beira de uma fossa entreaberta, levantar-me-ei cheio de entusiasmo e franquearei a tumba.

 

XII

A tumba! Essa porta que entreabrindo-se ao nosso lado, não nos deixa ver nada do que existe além; essa porta atrai meu desejo pelo desconhecido. La, a ciência não se detém, e o umbral do santuário onde se oculta o absoluto, é a entrada de uma nova ciência.

 

XIII

Saber é ter, saber é ser. saber é viver! Crer, esperar, amar; que é tudo isto se não se sabe nem o que se crê, nem o que se espera, nem o que se ama?

publicado por Emanuel às 22:56
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ALGUNS PENSAMENTOS DE GRA...

. SABEDORIA DO SOL NASCENTE...

. A CIÊNCIA DE ELIPHAS LEVI...

. A LUZ DO MILAGRE DA VIDA ...

. O que vale na Vida não é ...

. PENSAMENTOS "LIVRO DOS SÁ...

. MANIFESTAÇÃO DO DESPERTAR...

. O PENSAMENTO DE MO TI CO...

. A VIDA É UMA PORTA ABERTA...

. A ESCOLA DA VIDA DO BERÇO...

.arquivos

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

.favorito

. SER POETA É LUTAR PELA PA...

blogs SAPO

.subscrever feeds