.Poeta e Pensador

ruiemanuelpais
Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

UM NOVO CALENDÁRIO PARA UM NOVO MILÉNIO -DR JOSÉ ARGÜELLES

 

UM NOVO CALENDÁRIO PARA UM NOVO MILÉNIO
 
Com a aproximação do novo milénio, torna-se mais intensa a discussão sobre o “fim do mundo”. Este fato é citado por muitos profetas, em profecias antigas. O “fim do mundo” é uma má interpretação do que foi previsto por aqueles profetas. Na verdade eles estavam referindo-se ao “fim do tempo”, o fim do velho tempo de guerras, separações, desarmonias e medo.
 
O paradigma corrente baseia-se na utilização de um calendário absolutamente errado, que foi arbitrariamente criado pelo imperador romano Júlio César, num esforço para dominar o mundo, fazendo com que as pessoas ficassem alheias ao Espírito, à Terra, à Natureza e a elas mesmas. Tal facto criou o paradigma actual de separação e medo. E o mesmo calendário foi reformulado, também de forma arbitrária, em 1582, pelo papa Gregório XIII, permanecendo com inúmeros erros.
 
O Dr. José Argüelles e sua esposa Lloydine (hoje conhecidos mundialmente como Valum Votan e Bolon Ik), desenvolveram um trabalho exaustivo na investigação do erro que há no calendário que utilizamos, resultando na descoberta da “Lei do Tempo”. Foi através do entendimento da natureza do tempo que eles deram início ao Plano de Paz do Calendário de 13 Luas. Eles concluíram que, através da compreensão do tempo natural, nós podemos retornar a uma existência que é espiritual na natureza. Eles preparam o caminho para um novo paradigma de amor e igualdade. Este calendário é o veículo que possibilita essa transformação e é inteiramente baseado em informações providas pelos Argüelles.
 
Examinemos o calendário que é utilizado actualmente pela maioria das pessoas, denominado “calendário gregoriano”, para verificarmos o quanto ele é incorrecto. Inicialmente, existem meses de tamanhos diferentes, ou seja, com 28, com 29, com 30 e com 31 dias. Um calendário é um instrumento de medida do tempo. Imagine o seguinte: se alguém lhe der uma régua e as medidas na escala forem de diferentes tamanhos, você poderia utilizar tal instrumento como um confiável padrão de medida? Claro que não!
 
Quantas pessoas podem actualmente lembrar-se, com certeza, de quantos dias tem cada mês? Isso constantemente causa-nos um retrocesso aos níveis mais baixos de consciência, o que ocorre sempre que pensamos sobre o tempo.
 
Outro ponto a ser examinado: os nomes dos meses, Setembro, Outubro, Novembro e Dezembro. São palavras de origem romana e os mesmos referem-se ao 7º, 8º, 9º e 10º meses. Mas na verdade eles o são? Claro que não, pois Setembro é o mês 9; Outubro é o mês 10; Novembro é o mês 11 e Dezembro é o mês 12.
 
Julho e Agosto, são ambos nomeados após César. O início do ano foi arbitrariamente escolhido por César e o 1º mês, Janeiro é assim denominado em homenagem ao Deus romano da guerra: Janus. Cerca de 2000 anos depois, por que motivo ainda estamos glorificando os conquistadores romanos e dando-lhes tantos tributos através do uso de um calendário incorrecto?
 
Quando nós nascemos ninguém nos pergunta sobre qual o calendário que deveremos usar. Nós simplesmente recebemos um calendário que nos foi imposto por nossos antepassados.
 
O tempo é um conceito mental e um ritmo natural simultaneamente. Nós, como uma cultura de paz, podemos escolher mudar o tempo para um calendário em sincronicidade com a natureza e com o espírito, implementando um novo paradigma de paz para o mundo.
 
O princípio básico da Lei do Tempo é baseado na certeza de que “o tempo é a 4ª dimensão”. Este fato foi também descoberto por Einstein. Entretanto, ele não foi capaz de expandir essa assertiva. O tempo, como 4ª dimensão, é a conexão entre o domínio físico da 3ª dimensão e o domínio espiritual da 5ª dimensão. No entanto, o tempo tem ambos os aspectos: físico e espiritual. O actual calendário de 12 meses não possui, em absoluto, nenhum aspecto espiritual e o seu aspecto físico é incorrecto. Os maias antigos eram mestres do tempo. Seu sistema de calendários permanece como a mais exacta medida de tempo jamais inventada.
 
A antiga cultura maia vivenciava o tempo tanto sob o aspecto físico quanto sob o aspecto espiritual. Sua compreensão do tempo ultrapassava qualquer entendimento que temos actualmente. Este calendário é baseado na percepção do tempo assimilado pelos Argüelles em razão de seus estudos sobre os antigos Maias. Cabe ressaltar, no entanto, que este não é o calendário maia. Nem tampouco constitui-se numa tentativa de reviver a cultura maia. De acordo com o Dr. Argüelles, este calendário constitui-se na “nova dispensação do tempo”. Portanto, trata-se de um calendário galáctico, para toda a humanidade, que serve para a sincronização dos seres humanos no tempo natural.
 
O TEMPO NATURAL
 
O tempo natural é um aspecto da existência que é prontamente observável por todos aqueles que prestarem atenção. Ele é encontrado dentro dos ciclos da natureza. Os ciclos do tempo natural continuam transcorrendo interminavelmente. Tudo o que precisamos fazer é sintonizarmo-nos com os ciclos e seguirmos com eles.
 
OS CICLOS NATURAIS DO TEMPO SÃO:
 
O DIA – A Terra gira em torno do seu eixo para criar o dia e a noite. A lua gira em torno da Terra através de suas fases cíclicas. Este aspecto varia entre os tempos aparente e actual, de 27 e 29 dias. Portanto, o período adoptado para o ciclo lunar é de 28 dias.
 
O ANO – A Terra gira em torno do Sol em 365 dias. Quando você divide o ano pelo número de luas, você obtém 13 luas de 28 dias cada, mais um dia extra. Cada lua constitui-se em 4 semanas perfeitas de 7 dias cada uma. Cada ano tem 52 semanas perfeitas. Cada lua e cada ano começam em um domingo e terminam em um sábado. Estes são os ciclos que governam os aspectos físicos da vida.
 
Para encontrar os aspectos espirituais do tempo, devemos considerar o firmamento. A “estrela” mais brilhante no céu, não é uma estrela, mas sim o planeta Vénus, que possui um ciclo de 260 dias. Os antigos maias se referiam a este ciclo de Vénus como o Tzolkin ou o Calendário Sagrado. De conformidade com eles, o Tzolkin é constituído de pequenos ciclos de 13 e 20 dias cada um, formando um ciclo de 260 dias. Este é, também, um ciclo repetitivo. Actualmente, a estrela mais brilhante no céu é a estrela SIRIUS. Da perspectiva da Terra, o Sol parece mover-se através do céu contra a formação de estrelas. Quando o Sol nasce com a estrela Sirius, inicia-se o ciclo do ano.
 
Este dia corresponde ao dia 26 de Julho no corrente calendário. Portanto, o início deste calendário está relacionado com esse evento cósmico.
 
Nossos corpos são também codificados com os ciclos naturais do tempo. Homens e mulheres são reciclados a cada 28 dias por um ciclo denominado biorritmo. Nós possuímos 13 juntas em nossos corpos, que nos proporcionam o movimento, e 20 dedos nas mãos e nos pés. Nós somos a personificação do sagrado tempo natural.
 
Texto extraído de diversas publicações na NET do DR JOSÉ ARGÜELLES do seu estudo e trabalho no México sobre a CIVILIZAÇÃO MAIA E A VISÃO CAPACITANTE DESTA CIVILIZAÇÃO DE PREVER O FUTURO ATRAVÉS DA ASTRONOMIA EM SEU TEMPO! 
 
publicado por Emanuel às 18:27
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. ALGUNS PENSAMENTOS DE GRA...

. SABEDORIA DO SOL NASCENTE...

. A CIÊNCIA DE ELIPHAS LEVI...

. A LUZ DO MILAGRE DA VIDA ...

. O que vale na Vida não é ...

. PENSAMENTOS "LIVRO DOS SÁ...

. MANIFESTAÇÃO DO DESPERTAR...

. O PENSAMENTO DE MO TI CO...

. A VIDA É UMA PORTA ABERTA...

. A ESCOLA DA VIDA DO BERÇO...

.arquivos

. Setembro 2011

. Julho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

.favorito

. SER POETA É LUTAR PELA PA...

blogs SAPO

.subscrever feeds